Estudo e Construção de uma Ferramenta de Autoria Multimídia para a Elaboração de Jogos Educativos

 

Sidnei Renato Silveira

Dante Augusto Couto Barone

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Instituto de Informática

Curso de Pós-Graduação em Ciência da Computação (CPGCC)

 

Porto Alegre - RS - Brasil

e-mail: sidnei@inf.ufrgs.br

Resumo

 

Este trabalho descreve o tema da pesquisa que está sendo desenvolvida em nível de Dissertação de Mestrado, que é o estudo e construção de uma ferramenta de autoria em multimídia, voltada para a elaboração de jogos educativos. Esta ferramenta aproveita-se das vantagens dos jogos educativos computadorizados como alternativa para a utilização da informática na escola, além de possibilitar que o professor ou o próprio aluno elabore seus jogos, construindo assim, o seu conhecimento. O presente trabalho descreve algumas vantagens da utilização dos jogos educativos no processo de ensino-aprendizagem e aborda a utilização das ferramentas de autoria em multimídia para elaboração de software educativo. Também define-se uma proposta inicial de uma ferramenta para elaboração de jogos educativos no contexto da educação para o trânsito.

 

Introdução

 

A utilização dos computadores nas escolas está ampliando-se cada vez mais. Já existem inúmeros software no mercado que são largamente utilizados nos laboratórios de informática de escolas de 1o e 2o Graus. Muitos destes software são ditos educativos, mas não apresentam nenhuma relevância pedagógica ou quase nenhuma. Possuem, muitas vezes, apenas uma interface agradável, colorida, mas são pobres no seu conteúdo. Além disso, exploram na maioria das vezes a repetição de exercícios, caracterizando os chamados CAI (Computer Aided Instruction) - Instrução Auxiliada por Computador, que são classificados como os mais simples software educativos, inclusive porque refletem em grande parte as propostas de Sidney Pressey sobre a utilização de uma "máquina de ensinar". Esta "máquina de ensinar" era uma máquina que aplicava testes de múltipla escolha e o aluno, ao responder cada teste, recebia o feedback, indicando se a sua resposta estava ou não correta.

Um dos tipos de software educativo que tenta fugir à monotonia dos CAI’s são os jogos educativos computadorizados. Através de um jogo, o aluno pode "aprender" pelo conteúdo embutido no jogo. Os jogos educativos computadorizados são preferidos pelos alunos por despertar neles o interesse em "brincar", ou seja, o aluno "aprende brincando".

A proposta de desenvolvimento de tese enfoca o estudo e construção de uma ferramenta de autoria multimídia onde possam ser elaborados jogos educativos. A utilização de uma ferramenta de autoria por parte do professor liberta-o para criar seus próprios software educativos sem a presença de um informata, devido ao fato de que o professor não precisa ter conhecimentos de programação.

 

1 A Utilização de Ferramentas de Autoria Multimídia no Desenvolvimento de Software Educativo

 

O desenvolvimento de software educativo é uma das áreas onde as ferramentas de autoria têm maior aplicação. Através de uma ferramenta de autoria, os próprios professores podem criar seu material didático sem o auxílio de um técnico em informática. É claro que, muitas vezes, estes programas tornam-se muito simples, devido aos limitados recursos oferecidos pelas ferramentas, o que não influencia no conteúdo do software. De nada adianta um software educativo repleto de recursos gráficos se não existe um conteúdo que disponha de relevância pedagógica, ou seja, que seja realmente útil para os alunos. Além disso, os professores podem buscar apoio de técnicos em informática, através da criação de equipes interdisciplinares, o que fará com que o software seja adequado quanto aos recursos da informática e também possua um conteúdo relevante pedagogicamente.

Segundo Struchiner & Santos, os sistemas de autoria são o tipo de ferramenta de autoria de mais fácil utilização mas, os programas educativos elaborados a partir deles ocupam muito espaço e podem ser de execução lenta, além de não possuírem muita flexibilidade, pois seguem os modelos pré-definidos pelo ambiente. Estes modelos indicam que tipo de software pode ser desenvolvido pelo usuário, como, por exemplo, um livro eletrônico ou um CAI (Computer Aided Instruction). Muitas vezes, o software educativo reduz-se apenas a um tutorial, que poderia ser facilmente implementado através de um software de apresentação, como o PowerPoint, por exemplo. No caso da utilização de um sistema de autoria, o professor pode criar o seu software educativo sem que haja necessidade da presença de um Informata que o auxilie e lhe dê o apoio técnico na elaboração do software. Vendo pelo ponto de vista educacional, isto é uma grande vantagem, devido ao fato de que nem sempre o professor poderá ter a sua disposição um técnico da área de informática e muitas vezes não tem nem como estabelecer uma equipe que conte com um profissional desta área [STR 90].

Utilizando-se uma linguagem de programação, a criação dos software torna-se muito mais flexível mas requer um conhecimento muito maior de programação, o que pressupõe que, ou o professor conhece e domina a tarefa de programar um computador ou ele precisará contar com um programador que se disponha a colaborar com o desenvolvimento do seu software. Neste ponto, faz-se necessária a definição de uma equipe de trabalho interdisciplinar, que fará a união dos conhecimentos da área pedagógica com a informática. Um software educativo elaborado através da utilização de uma linguagem de programação convencional pressupõe a criação de uma equipe de profissionais das áreas envolvidas no projeto. Se o software educativo proposto deve ser utilizado em aulas de Química, a equipe que desenvolverá o projeto deve ser formada por professores de Química e por Informatas. A junção e a colaboração do conhecimento destas duas áreas do conhecimento farão com que possa ser elaborado um software educativo com relevância pedagógica utilizando-se os recursos disponíveis nos meios computacionais.

Atualmente, os ambientes de autoria existentes no mercado podem ser vistos dentro de duas categorias: linguagem de autoria e sistemas de autoria. Muitos destes ambientes permitem a criação de software educativo a partir de uma interface gráfica, sem que seja necessário a codificação das ações desejadas em linhas de programação. Mesmo assim, estes sistemas de autoria possuem uma linguagem de programação que pode ser utilizada para programar ações mais elaboradas do ponto de vista computacional. Cabe ao usuário aproveitar todos os recursos oferecidos por estes ambientes. Se o usuário não tem um grande conhecimento do funcionamento do computador ele pode simplesmente utilizar este ambiente como um sistema de autoria e criar seu software educativo a partir da interface, utilizando uma barra de ferramentas. Pode incluir textos, botões, imagens, gráficos, sons, etc., de maneira rápida e fácil. Caso o usuário necessite de algum recurso mais elaborado, que não é fornecido de maneira (interativa), torna-se necessário escrever algumas linhas de código (ou muitas linhas, dependendo do recurso desejado). Isto requer algum conhecimento de programação e face ao exposto, requer que o usuário possua noções de programação ou busque o auxílio de alguém que o saiba. [THA 93] [VAU 94] [WOL 95]

A utilização da multimídia como recurso para o desenvolvimento de software educativo pode trazer inúmeras vantagens. Um software educativo em multimídia pode tornar o aprendizado mais agradável e interessante, devido à possibilidade da inclusão de sons, fotos, imagens, animações entre outras mídias. Este tipo de software pode contribuir no processo de ensino-aprendizagem, tornando as aulas menos monótonas e despertando no aluno o interesse à investigação e à descoberta. Um software em multimídia também pode ser elaborado para que o aluno "aprenda brincando". Isto se torna possível através da utilização de jogos educativos. Estes jogos educativos podem utilizar-se de recursos multimídia e tornam a sala de aula um local mais agradável e divertido. [HER 90] [THA 93] [VAU 94] [WOL 95]

 

2 Jogos Educativos Computadorizados

 

Os jogos desempenham um papel importante no desenvolvimento da criança. O jogo representa esforço e conquista, uma necessidade vital. O jogo possibilita o equilíbrio entre o mundo interno e o externo, canalizando as energias das crianças e transformando em prazer suas angústias. [ARA 92] [ROD 92]

"O jogo é uma atividade rica e de grande efeito que responde às necessidades lúdicas, intelectuais e afetivas, estimulando a vida social e representando, assim, importante contribuição na aprendizagem." [GRO s.d., p.86]

A influência do brinquedo no desenvolvimento da criança é muito grande. Através deste, a criança aprende a agir cognitivamente, sendo livre para determinar suas ações. O brinquedo estimula a curiosidade, a iniciativa e a autoconfiança, proporcionando o desenvolvimento da linguagem, do pensamento e da concentração da atenção. [VYG 89]

"Desde muito cedo o jogo na vida da criança é de fundamental importância, pois quando ela brinca, explora e manuseia tudo aquilo que está à sua volta, através de esforços físicos e mentais..." [ARA 92, p.14]

Segundo Piaget, (Piaget apud [ARA 92]), o jogo tem uma relação estreita com a construção da inteligência e possui uma efetiva influência como instrumento incentivador e motivador no processo de ensino-aprendizagem.

Segundo Vieira, [VIE 94], os jogos devem possuir as seguinte características básicas: estimular a imaginação infantil, auxiliar no processo de integração grupal, liberar a emoção infantil, facilitar a construção do conhecimento e auxiliar na aquisição da auto-estima. Os jogos, em geral, também devem promover a criatividade, desenvolver a autonomia e favorecer a expressão da personalidade infantil.

Os jogos educativos computadorizados são elaborados para divertir os alunos e aumentar a chance de aprendizagem de conceitos, conteúdos e habilidades embutidas no jogo. Um jogo educativo pode propiciar ao aluno um ambiente de aprendizagem rico e complexo; estes ambientes são denominados "micromundos", porque fornecem um mundo imaginário a ser explorado e no qual os alunos podem aprender. Cabe à equipe de desenvolvimento de software educativo desenvolver jogos que sejam atrativos e ao mesmo tempo possuam um cunho educativo. [COB 88]

"Um jogo educativo por computador é uma atividade de aprendizagem inovadora na qual as características do ensino apoiado em computador e as estratégias de jogo são integradas para alcançar um objetivo educacional específico." [STA 91, p.18]

Estes jogos tornaram-se intrinsecamente motivadores, devido ao desafio, a fantasia e a curiosidade que despertam nas crianças. Os jogos podem fornecer resultados não previstos, mas tão importantes quanto os previamente determinados, oferecendo oportunidades para que o aluno utilize a lógica, raciocínio e habilidades de organização para resolver problemas de maneira mais interessante, do que seriam expostos em um exercício comum. Um jogo simples pode "ensinar" várias habilidades e conceitos, de maneira sofisticada, para que os alunos não se cansem rapidamente do jogo. [COB 88] [STA 91]

Segundo Berger & Carlson, (Berger & Carlson apud [STA 91]), os jogos educativos são ambientes nos quais o aluno aprende através da descoberta. Estes ambientes de aprendizagem possuem um enfoque heurístico, não fornecendo o conteúdo diretamente ao aluno. O que o aluno vai aprender, as respostas para alcançar o objetivo, não são pré-determinados. Os jogos educativos utilizam-se do cognitivismo, o aluno "aprende" através da busca, da descoberta e do raciocínio.

Os jogos educativos são uma área que pode tornar-se alvo de inúmeras pesquisas, principalmente os computadorizados, por estarem sendo utilizados em diversas escolas, muitas vezes atendendo apenas o apelo de marketing imposto pelas outras escolas e pelos alunos, mas sem estarem inseridos em um projeto pedagógico, que leve em consideração os aspectos educativos dos software.

"Se o ensino for lúdico e desafiador, a aprendizagem prolonga-se fora da sala de aula, fora da escola, pelo cotidiano, até as férias, num crescendo muito mais rico do que algumas informações que o aluno decora porque vão cair na prova." [NET 92, p.43]

Os jogos são ambientes de aprendizagem que não fornecem o conteúdo diretamente ao aluno, mas incentivam a descoberta, a busca e o raciocínio. A ferramenta proposta aproveita-se das vantagens da utilização da multimídia e dos jogos educativos no processo de ensino e aprendizagem, além das vantagens propiciadas pela utilização de uma ferramenta de autoria em multimídia, que pode ser manipulada pelo próprio professor ou até mesmo pelos alunos.

 

3 Definição Inicial da Ferramenta

 

A ferramenta deve servir de apoio à elaboração de jogos educativos computadorizados, tanto por parte dos professores como também dos alunos. Através da ferramenta, o usuário (professor ou aluno) selecionará os objetos que farão parte do jogo e poderá definir suas propriedades e ações. Por propriedades entende-se a cor, formato, tamanho, tipo da fonte, espessura, entre outros.

A ferramenta prevê a inclusão de um assistente para facilitar a elaboração de jogos mais "tradicionais", tais como palavras-cruzadas, jogo de memória, jogo de corrida, entre outros. Neste caso, a ferramenta indicará ao usuário a série de passos que deve ser seguida para elaborar o jogo. Como por exemplo pode-se citar a elaboração de um jogo de corrida. O objetivo do jogo é de que os jogadores, a partir de um ponto de partida, alcancem a chegada. Na elaboração deste jogo, o usuário poderá definir: o ponto de partida, o ponto de chegada, as imagens que comporão os "quadros" que compõem o caminho da corrida, as ações que devem ser disparadas quando o jogador atinge uma ou outra "casa" específica, a pontuação, os sons que devem ser incorporados ao jogo e, inclusive, perguntas e/ou explicações sobre um determinado conteúdo, servindo de passagem por uma "casa".

Além disso, a ferramenta também prevê a configuração do ambiente do jogo, como por exemplo: cores, pontuação, número de jogadores, entre outros itens. Através da utilização do assistente ou utilizando a barra de ferramentas o usuário criará o seu próprio jogo. A barra de ferramentas deve conter todos os objetos que podem ser incorporados no jogo, tais como: desenhos de linhas e objetos geométricos, sons, imagens, vídeos, cores, textos, campos para palavras cruzadas, ícones, caminhos para jogos de corrida, cartas para jogos de memória, caixas de mensagem para fornecer informações ao jogador.

A ferramenta proposta deve ser elaborada visando a fácil utilização por parte dos usuários, tanto professores quanto alunos, para que os mesmos trabalhem de forma construtiva, ou seja, construindo seus próprios ambientes de aprendizagem. O professor pode utilizar a ferramenta e fornecer os jogos para os alunos; pode fornecer os jogos e propor alterações; pode deixar que os alunos sugiram e alterem os jogos fornecidos ou ainda, que os alunos criem seus próprios jogos, individualmente ou em grupo, sempre sob a orientação do professor. Na figura a seguir demonstra-se uma proposta para a interface da ferramenta. O contexto escolhido para o desenvolvimento do protótipo foi a educação para o trânsito, visando servir como apoio às aulas que abordam este tema.

Figura 1: Proposta de Interface para a Ferramenta

Legenda:

1 - Criar novo jogo

2 - Abrir jogo

3 - Salvar jogo

4 - Jogar

5 - Ajuda

6 - Imprimir tela do jogo

7 - Sair da ferramenta

8 - Inserir sons

9 - Definir senha de entrada para o jogo

10 - Estabelecer tempo para o jogo

11 - Apagar (excluir) objetos do jogo

12 - Inserir textos

13 - Assistente do jogo de palavras cruzadas

14 - Inserir animações

15 - Desenhar

16 - Definir cores dos objetos

17 - Selecionar objetos

18 - Inserir figuras

19 - Assistente do jogo do caminho.

20 - Área de trabalho.

 

Observação: Os botões 13 e 19 demonstram apenas dois jogos que poderiam ser inseridos na ferramenta. Além destes, poderiam existir outros botões contendo assistentes que auxiliariam o usuário na elaboração de jogos tais como memória, jogos de corrida, dominó, etc.

 

Considerações Finais

Segundo Wolf [WOA 97], as crianças, atualmente, formam parte de um novo modo de ser e pensar, influenciado pela combinação de diversas tecnologias, tais como a televisão, o computador, o videogame, entre outras. Estas tecnologias podem e devem servir de aliados à tarefa de ensinar, visando facilitar o processo de ensino e aprendizagem. Cabe aos educadores criar planos pedagógicos para a aplicação adequada destas tecnologias.

Estas afirmações confirmam as vantagens da utilização do computador como recurso em sala de aula, citadas por vários autores. Além das vantagens da utilização do computador na escola o professor pode aproveitar-se das vantagens de utilizar-se dos jogos educativos e da multimídia. Segundo Rizzo [RIZ 88], os jogos constituem um poderoso recurso de estimulação no desenvolvimento integral do aluno, desenvolvendo atenção, disciplina, autocontrole, respeito a regras e habilidades perceptivas e motoras relativas a cada tipo de jogo oferecido.

A ferramenta proposta nesta pesquisa serve como recurso ao professor, para a elaboração de seus próprios jogos educativos, utilizando recursos em multimídia. Além disso, os professores podem permitir que os próprios alunos também criem seus jogos, definindo regras, objetivos e também jogando os jogos construídos. A dinâmica de sala de aula pode incluir a utilização de jogos criados pelo professor num momento, jogos criados pelos alunos, jogos criados por grupos de alunos que estabelecem regras e objetivos, etc., fazendo com que os alunos, além de construírem seu próprio conhecimento sobre o assunto abordado no jogo também experimentem o trabalho em equipe.

 

Referências Bibliográficas

[ARA 92] ARAÚJO, Vania Carvalho de. O jogo no contexto da educação psicomotora. São Paulo: Cortez, 1992. 106p.

[COB 88] COBURN, Peter et alii. Informática na educação. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora, 1988. 298p.

[GRO s.d.] GROSSI, Esther Pillar (Org.). Escolas infantis: leitura e escrita. Erechim: Edelbra, s.d., 92p.

[HER 90] HERNÁNDEZ, Manuel González. Impacto de la Multimedia en la Educacion. In: Anais do I Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. 1990.

[NET 92] NETO, Ernesto Rosa. Laboratório de matemática. In: Didática da matemática. São Paulo: Ática, 1992. p. 44-84.

[RIZ 88] RIZZO, Gilda. O método natural de alfabetização. In: Alfabetização Natural. Rio de Janeiro: Francisco Alvez, 1988. p. 33-129.

[ROD 92] RODRIGUES, Maria. O desenvolvimento do pré-escolar e o jogo. São Paulo: Ícone, 1992.

[STA 91] STAHL, Marimar M. Ambientes de ensino-aprendizagem computadorizados: da sala de aula convencional ao mundo da fantasia. Rio de Janeiro: COPPE-UFRJ, 1991.

[STR 90] STRUCHINER, Miriam; SANTOS, Neide. Elaboração de Software Educacional pelo Professor: afinal, qual a melhor opção? In: Anais do I Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Rio de Janeiro, 1990.

[THA 93] THALMANN, Nadia Magnenat. Mundos Virtuais e Multimídia. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1993.

[VAU 94] VAUGHAN, Tay. Multimídia na Prática. São Paulo: Makron Books, 1994.

[VIE 94] VIEIRA, Clarice V. et alii. Brinquedo. Porto Alegre: Faculdade Porto-Alegrense de Educação Ciências e Letras, set. 1994.

[VYG 89] VYGOTSKY, L. S. O papel do brinquedo no desenvolvimento. In: A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989. p.106-118.

[WOA 97] WOLF, Lilian Alford. La Educación en El Mundo de Hoy. Disponível por WWW em: http://www.eca.usp.br/eca/prof/moran/lilian.htm. Consultado em 04 de dezembro de 1997.

[WOL 95] WOLFGRAM, Douglas E. Criando em Multimídia. São Paulo: Campus, 1995.